Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2018

VEJA COMO ESTÁ TIPPI, A MENINA QUE VIVEU DURANTE 10 ANOS NA SAVANA AFRICANA

Imagem
Uma criança passa sua infância na selva. Com esse enredo, a história de Tarzan, Mogli e a mitologia dos fundadores de Roma, Rômulo e Remo vêm à cabeça. Essa história já se passou várias vezes na ficção mas também aconteceu na vida real. Tippi Benjamine Okanti Degri foi uma garota francesa que nasceu na Namíbia em 1990 e viveu por 10 anos na selva africana. Apelidada de Tippi, a verdadeira Mogli da selva, passou os primeiros anos de sua vida na África e foi criada com animais selvagens. As imagens comoventes da sua vida com inúmeros animais daquela área foram publicadas em um livro chamado 'Tippi: my book of África'. Fotografias incríveis mostram como a garota faz amizade com Abu, um elefante que ela chamava de irmão, um leopardo que era o seu melhor amigo, um avestruz, um babuíno e vários outros animais que são retratados em seu livro. Separamos algumas delas. Segundo Sylvie, a mãe de Tippi, a vida diária deles consistia em garantir que os macacos não roubassem sua garrafa. &…

COMO APLICAR A TERAPIA ABA?

Imagem
Uma das principais ferramentas para desenvolver uma pessoa no Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é a Análise Aplicada do Comportamento (Applied Behavior Analysis – ABA). De crianças à adultos, a ABA contribui para melhorar comportamentos socialmente importantes e, assim, permitir àquele que está no espectro ter suas habilidades aperfeiçoadas, bem como manejar suas limitações, contribuindo com seu desenvolvimento. Existente há mais de 50 anos, a ABA é um tratamento baseado em evidências científicas que atestam sua eficácia. Consiste em um conjunto de procedimentos e intervenções destinados a aumentar comportamentos positivos, ensinar novas habilidades, que possibilitem à criança se integrar em novos ambientes e reduzir comportamentos prejudiciais a ela, como a autoagressão. Suas técnicas possibilitam ampliar a capacidade cognitiva, motora, de linguagem e de integração social, procurando reduzir por meio de práticas de repetição e esforço comportamentos negativos que possam causar…

A música e o Alzheimer: o despertar das emoções

Imagem
A música e o Alzheimer têm uma relação estranha, poderosa e fascinante. Pacientes em um estado avançado da doença experimentam subitamente um despertar assombroso ao ouvir uma canção da juventude, uma música cheia de ritmo que, quase sem sabermos como, desbloqueia lembranças e capacidades cognitivas até envolvê-los em um oceano de emoções maravilhosas… Os neurologistas comentam que é o nosso cérebro que, por uma razão ainda desconhecida, preserva de forma intacta as áreas vinculadas à memória musical a longo prazo. Os psicólogos, por sua vez, assim como os terapeutas e familiares que atendem diariamente aos seus parentes queridos, sabem que a música é, acima de tudo, um consolo para estas pessoas acometidas por uma doença devastadora. Talvez o nome de Glen Campbell seja conhecido por muitos. Ele foi um dos ícones da música country nos Estados Unidos ao longo dos anos 60 e 70. Morreu não faz muito tempo, depois de uma dura convivência com o Alzheimer. A sua história poderia ser a de qua…

‘Recordista’ em biblioteca pública, aposentado já leu 4.902 livros

Imagem
Henrique Gentile Menezes consumiu, em média, 446 obras ao ano na última década. Entre seus preferidos, Balzac, Victor Hugo e Machado de Assis Paula Sperb, na Veja Os óculos ficam estrategicamente posicionados ao lado dos livros, em uma prateleira da sala de um apartamento de classe média no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre. Todos os dias, o aposentado Henrique Gentile Menezes, de 74 anos, conta com a ajuda dessas lentes para poder enxergar melhor de perto durante sua atividade favorita: a leitura. Porém, Menezes não é um leitor comum. Usuário assíduo da Biblioteca Pública Municipal Josué Guimarães, ele já retirou e leu 4.902 livros desde 2007, ano em que o sistema passou a ser informatizado. Ele é o leitor “recordista” da biblioteca – o segundo lugar retirou 1.217 obras. Como frequenta o local desde 1996, antes da informatização, o número de livros retirados por Menezes pode chegar a quase 10.000. Na última década, ele leu, em média, 446 livros por ano. “Depende do número de págin…