A dança dos contrários

              Assistimos a cada dia a polarização da sociedade brasileira de forma cada vez mais acirrada e agressiva. A princípio tratava-se de questões político partidárias, o que tornava possível manter-se razoavelmente a distância desde que não existisse interesse pessoal em jogo. Entretanto, a situação foi se complicando de tal forma, que questões muito mais profundas e delicadas foram invadindo o cenário e descortinando situações que atacam valores inestimáveis; o que torna impossível não escolher um lado nessa dança dos contrários.
             O que está acontecendo afinal? Por que essa loucura com nossas crianças? Por que a censura só vale para atender determinados interesses? O que se entende por democracia? Por que as pessoas que clamam por socialismo deleitam-se com os mimos do capitalismo? Por que algumas pessoas sérias permanecem na defesa do indefensável, como se estivéssemos apenas brincando de cabo de guerra, sem considerar a gravidade da situação atual?
          É fato que estamos todos dançando feio nessa competição desenfreada, e nesse ritmo alucinado certamente tontos com a velocidade dos fatos e a agressividade dos sons, nos excedemos em nossos comentários, nas nossas ações e, sobretudo, esquecemos que não se trata de uma competição qualquer. É muito mais profundo e duradouro que uma mera dança, trata-se do que somos e em que acreditamos, que país queremos para os nossos descendentes…Precisamos agir como adultos, deixar a inconsequência da competição sem propósitos e pensar na escolha que precisamos fazer nesse momento grave.
        Por essa razão, embora lamente termos chegado a esse ponto, eu, que já acreditei e me emocionei com a ideologia de esquerda, mudei de lado. Escolho repensar o modelo de país que temos; escolho pensar por mim mesma, sem as amarras de emissoras, partidos ou profissões; escolho um olhar crítico, sem enaltecer personalidades específicas, lembrando que ninguém está acima do bem e do mal, portanto é preciso discernimento e visão crítica. Sempre poderei mudar de opinião porque não sou refém de partido ou ideologia alguma, sou humana e naturalmente posso errar nas minhas escolhas, repensar e mudar de postura. Mas nesse momento, escolho a direita, porque perdemos o rumo, perdemos o ritmo, e o que ouvimos são gritos tortuosos e ranger de dentes. Só há um meio de retomar o equilíbrio, escolher um lado e manter-se firme e coerente nessa escolha. Não por interesses pessoais, birra ou comodismo, mas pelo reconhecimento de que o país é o palco e ele está ruindo sob nossos pés.
Aparecida Cunha


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A água do mar e seus benefícios para a saúde

Dicas de interações e brincadeiras com as crianças em tempos de quarentena!

90% dos trabalhadores querem trocar de emprego, aponta pesquisa