Autoavaliação e mudanças de atitudes reduzem em 80% violência na escola

A partir da autoavaliação sobre o comportamentos e mudanças de atitudes levaram a comunidade escolar da unidade estadual Professora Maria Hermínia Alves, no bairro CPA 4, a reduzir em aproximadamente 80% a violência registrada na escola, nos últimos cinco anos (2007/2012). A unidade inclusa entre as 20 mais violentas de Cuiabá, pela Unesco, em 2006, reverteu das 177 ocorrências registradas inicialmente para 40 casos mês.
“A informação de que estávamos entre as escolas mais violentas da Capital foi um choque para a equipe técnica e pedagógica”, destaca a diretora da unidade, Hélia Ormond. O entendimento sobre a violência era de que ela era externa ao ambiente. Com apoio de especialistas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) participaram de um projeto de autoavaliação, que resultou na percepção de quanto toda a comunidade escolar era violenta.
O diagnóstico gerou a reavaliação necessária para as mudanças de conceitos, levando o coletivo escolar a promover atitudes que reverteram as relações (professor-aluno-professor, aluno- funcionários-alunos, entre os próprios estudantes e com o próprio patrimônio). “Foi um ano de dor”, diz a diretora se referindo a dificuldade de mudanças.
Como medidas internas foram propostas ações participativas e integradoras, como reuniões para tomada de decisão coletiva (docentes, discente e funcionários), instalação de painéis estatísticos (violência) no pátio, entre outras. Os projetos desenvolvidos nascem a partir da proposição de alunos, professores e técnicos. “Tivemos recentemente um projeto das merendeiras que apresentava para os estudantes a importância da alimentação saudável”, relata a estudante Isadora Jordão Santos, do oitavo ano.
Outra proposta integradora que refletiu na redução da violência foi a abertura da escola para a comunidade. “Fomos uma das primeiras a implantar o Programa Escola Aberta. No começo foi assustador, pois se não dávamos conta da violência interna como seria abrir as portas para a população”, relata a diretora.
Quando iniciaram o projeto Escola Aberta, as oficinas foram insuficientes para atenderem a demanda. Os pais dos mais de um mil estudantes se integraram ao projeto direta ou indiretamente. “Tivemos que buscar parceria na iniciativa privada para ampliar as práticas”, diz.
Por odocumento.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atividades que estimulam a aprendizagem

Bolsa de couro de pirarucu da Osklen ganha selo de sustentabilidade internacional

Mergulhador encontra bomba da 2ª Guerra em praia de Fortaleza