Hospital no Ceará é destaque em revista britânica


cearahospital

Periódico destacou parceria com Hemoce em tratamento de leucemia Uma parceria entre o Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) e o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) foi destaque na revista científica britânica mais prestigiada da atualidade – British Journal of Haematology. A publicação trouxe o relato de uma paciente de 22 anos de idade, do interior do Estado do Ceará, cuja leucemia mieloide aguda foi identificada a partir de exames de sangue que apontaram anomalia importante e rara num grupo de células analisadas.
Após sessões de quimioterapia e acompanhamento no Hospital Universitário Walter Cantídio e no Hemoce, novos exames foram realizados na paciente e não foram mais identificados sinais da doença nela. O relato é assinado pelo Dr. Fernando Barroso, chefe do Serviço de Onco-hematologia do HUWC; Dra. Denise Brunetta, chefe da Agência Transfusional do Complexo Hospitalar da UFC; Dr. Jacques Kaufman e Dra. Lilian de Albuquerque, especialistas do Serviço de Onco-hematologia do HUWC; e Dra. Luciana de Barros Carlos, do Hemoce.

Transplante de medula óssea
A parceria HUWC/Hemoce já contabiliza, neste ano de 2016, 67 transplantes de medula óssea, sendo 37 autólogos, 29 alogênicos e um haploidêntico. O transplante do tipo autólogo consiste no autotransplante. Ou seja, o próprio paciente é a fonte de células-tronco hematopoiéticas. Nesse procedimento, o paciente faz uso de uma medicação que estimula a produção de células-tronco e realiza a coleta dessas células presentes no sangue por meio de um processo automatizado chamado aférese. Essas células, então, são armazenadas por congelamento. Em um segundo momento, o paciente é internado e submetido a altas doses de quimioterapia e posterior infusão das células-tronco que estavam armazenadas.
O Dr. Fernando Barroso, explica que, no transplante alogênico, há a figura do doador, que pode ser aparentado (irmão, por exemplo) ou não aparentado (proveniente de bancos de doadores, como o Redome – Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea). “O paciente é submetido a altas doses de quimioterapia e, em alguns casos, radioterapia também. Um dia antes de o paciente receber as células-tronco, a coleta é feita no doador. Após a infusão das células doadas, o paciente permanece internado até que a nova medula comece a funcionar normalmente”, explica o hematologista.
Ineditismo
No caso do transplante haploidêntico, realizado pela primeira vez no Ceará no dia 18 de outubro passado, houve 50% de compatibilidade entre doador e receptor. Nesse caso, foi a mãe do paciente que doou as células. “A realização do transplante haploidêntico pode ajudar a resolver a questão de pacientes que não têm doador compatível e não podem esperar até encontrar um doador com compatibilidade. A possibilidade de contar com um parente que seja 50% compatível revolucionou a área dos transplantes, porque hoje praticamente todo mundo tem um doador, pode ser o pai, a mãe, um irmão e até um primo”, diz o médico.
A Unidade de Onco-Hematologia do HUWC é a única do Estado a realizar transplante de medula óssea pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e a primeira a fazer o do tipo haploidêntico.
SERVIÇO
Para ler o relato na revista, acesse.
Para ser doador: Para se cadastrar como doador de medula óssea é preciso ter entre 18 e 55 anos, não ter tido câncer e apresentar documento de identidade e comprovante de endereço. O cadastro será concluído com a assinatura de um Termo de Consentimento e a coleta de uma amostra de sangue (10 ml). É importante sempre deixar seu cadastro atualizado para que o Hemoce tenha como localizar o doador. Para isso basta entrar em contato com o Núcleo de Medula Óssea, enviando as alterações de dados para o e-mail nucleo.medula@hemoce.ce.gov.br
 Por Blog da Saúde/MS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atividades que estimulam a aprendizagem

Bolsa de couro de pirarucu da Osklen ganha selo de sustentabilidade internacional

Mergulhador encontra bomba da 2ª Guerra em praia de Fortaleza