sexta-feira, 22 de março de 2019

Método Cornell: a técnica que melhorará suas anotações (e estudos)

O método de anotações Cornell foi criado na década de 1940 e é utilizado por estudantes do mundo inteiro até hoje (Foto: Reprodução/Tumblr/study-read-study)
(FOTO: REPRODUÇÃO/TUMBLR/STUDY-READ-STUDY)
Se tem algo que une estudantes mundo afora é a dúvida sobre qual a melhor forma de fazer anotações durante a aula ou ao ler um livro importante. Cada pessoa acaba desenvolvendo seu próprio método, mas nos anos 1940 um professor da Universidade Cornell, autor de Como Estudar na Faculdade (How to Study in College, no título original em inglês), criou um sistema que até hoje é bastante respeitado: as anotações Cornell.
É bem menos complicado do que parece e consiste em dividir as páginas de anotações em três seções. Uma para parafrasear as principais ideias da aula ou do texto, outra para resumi-las e uma terceira para anotar perguntas. Mas não precisa ser tudo ao mesmo tempo.
Este é um exemplo de como utilizar o método Cornell nos estudos (Foto: Reprodução/Através da Linha)
(FOTO: REPRODUÇÃO/ATRAVÉS DA LINHA)
O primeiro passo é desenhar uma espécie de I (maiúsculo, com a lateral direita maior que a esquerda), com o cuidado de deixar espaço o suficiente para escrever, claro. No topo, escreva o assunto e a data. No espaço maior central, faça as anotações ou desenhos que achar pertinentes para a compreensão do tópico. Lembre-se de pular uma linha entre as ideias para facilitar a compreensão e sinta-se à vontade para abreviar o que achar necessário — as anotações são de você para você, desde que você as entenda, é tudo o que importa.
Terminada a aula ou a leitura, use o canto esquerdo para destacar as ideias principais e destacar informações que julga importantes, como nomes ou datas. E, no canto inferior, tente resumir a lição em poucas frases. Vale responder a pergunta: se eu fosse explicar isso a outra pessoa, o que eu diria?
Cada parte da página é dedicada a um tipo de anotação do material estudado (Foto: Reprodução/EAD)
FOTO: REPRODUÇÃO/EAD)
Na hora de estudar, comece lendo a caixa principal, estude com afinco as anotações do canto esquerdo e releia o canto inferior. A boa notícia é que se você tiver feito um bom trabalho ao anotar, provavelmente será muito mais fácil revisar e se preparar para uma prova.
Por Marília Mara Sciulo/Revista Galileu 

BENEFÍCIOS DO CHOCOLATE

Conheça alguns dos principais benefícios do chocolate e saiba por que alguns tipos não são tão benéficos à saúde.
O chocolate, se ingerido com moderação, gera benefícios ao organismo
Produzido a partir do cacau, o chocolate faz parte da alimentação de várias pessoas ao redor do mundo. Apesar de possuir gorduras e açúcares, esse alimento gera alguns benefícios para a saúde. Vamos conhecê-los?
Primeiramente devemos lembrar que o chocolate é fabricado de diferentes formas, existindo, portanto, sabores diferentes. O chocolate ao leite é um dos mais consumidos e apresenta um teor de cacau relativamente baixo. O chocolate amargo, por sua vez, é rico em cacau e pobre em gorduras e açúcares, sendo o mais benéfico para a saúde. Já o chocolate branco não é feito da semente de cacau, e sim da manteiga de cacau, portanto, é o que mais apresenta gorduras e açúcares, não sendo, portanto, muito benéfico.
cacau apresenta diversas substâncias importantes, como é caso dos compostos químicos conhecidos como polifenóis. Essa substância caracteriza-se pela sua propriedade antioxidante, ou seja, evita a formação de radicais livres que podem danificar as células sadias do nosso corpo.
Os antioxidantes são fundamentais para evitar problemas no sistema cardiovascular, uma vez que se relacionam com a diminuição do risco de placas de gorduras nos vasos sanguíneos e, consequentemente, diminuem o risco de infartos e trombose. Além disso, os polifenóis existentes no chocolate ajudam a diminuir a resistência à insulina, aumentar o fluxo sanguíneo e até mesmo prevenir o envelhecimento.
Estudos também indicam que, em razão de sua capacidade antioxidante, o chocolate seja responsável por prevenir o câncer de intestino, uma vez que evita danos às células dessa área. Também são benéficos para pacientes que sofreram danos cerebrais em decorrência de AVE (Acidente Vascular Encefálico) por protegerem as células nervosas. Em grávidas, trabalhos indicam que o chocolate diminui o risco de desenvolver pré-eclâmpsia.
O chocolate possui ainda o aminoácido triptofano, que é responsável por desencadear a ativação da serotonina e da dopamina, substâncias diretamente relacionadas com a melhora do humor. Quando os níveis dessas substâncias estão baixos, as pessoas podem desenvolver quadros de depressão e ansiedade. Para as mulheres, o chocolate, portanto, pode ser um ótima arma contra a TPM (Tensão Pré-Menstrual). Devemos destacar também que o chocolate também possui vitaminas e sais minerais, substâncias fundamentais para o nosso desenvolvimento.
Os chocolates amargos, como já ressaltado, são os que mais apresentam cacau e, consequentemente, maior quantidade de substâncias benéficas. Assim sendo, a recomendação é que, sempre que possível, a pessoa opte por chocolates escuros e amargos para garantir maiores benefícios. Vale destacar que o consumo diário não deve ser superior a 30g.
Apesar de todos os benefícios, se consumido em excesso, o chocolate pode provocar problemas gastrointestinais (como diarreias), dores de cabeça e até mesmo desencadear sobrepeso e diabetes.

Por Ma. Vanessa dos Santos/Escola Kids

Abertas inscrições do processo seletivo para especialização em Preceptoria no SUS

O Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês (IEP/HSL), em parceria com Ministério da Saúde, Secretaria Municipal de Saúde do Município de Natal/RN e Secretaria de Estado da Saúde Pública do Rio Grande do Norte abrem processo de seleção para o preenchimento das vagas para o curso de Pós-graduação Lato Sensu: Especialização em Preceptoria no SUS.
Serão ofertadas 20 vagas para profissionais de saúde que atuam nos serviços públicos de saúde do município do Natal/RN. O curso será oferecido na modalidade semipresencial, com encontros mensais no município de Natal, com duração de três dias consecutivos, por período de 20 meses, entre maio de 2019 a dezembro de 2020.
As inscrições deverão ser realizadas pelo site institucional do Hospital Sírio Libanês, (http://eventos.tmp.br/psus2019/visitantes/inicio.php) no período de 19/03/2019 a 26/03/2019. Para efetivar a inscrição, o candidato deverá preencher o formulário e disponibilizar cópia digitalizada (frente e verso) do diploma de graduação.
O processo seletivo se dará em duas etapas. Sendo a primeira a realização de uma inscrição on-line e a segunda uma entrevista presencial. Com base nos critérios do edital, serão selecionados até 50 candidatos para participarem da entrevista.
O resultado final será divulgado até o dia 16/04/2019, nos sites institucionais da Prefeitura do município de Natal e do Governo do Estado do Rio Grande do Norte.
Confira aqui o edital.
Para dúvidas, os telefones da Subcoordenadoria de Capacitação (SUCA) da Sesap são: (84) 3232-2689/3232-2667.
Por ASCOM/SESAP RN

quinta-feira, 21 de março de 2019

Dez curiosidades que você não sabia sobre a Tabela Periódica


Temida por uns, adorada por outros tantos, a Tabela Periódica que adorna salas de aula e livros didáticos no mundo todo é uma velha senhora que em 2019 completa 150 anos. O modelo que utilizamos atualmente foi apresentado pela primeira vez em 1869, pelo químico russo Dmitri Mendeleev (1834-1907), com o objetivo de organizar, classificar e agrupar os elementos químicos conforme suas propriedades.
Antes dessa, muitos cientistas já tinham desenvolvido tabelas para organizar os elementos químicos. O desenho proposto por Mendeleev, com organização por ordem crescente de massa atômica, foi repaginada por ele mesmo em 1871 e sofreu diversas alterações ao longo dos anos. No entanto, as versões modernas ainda se baseiam na estrutura desenvolvida pelo russo.
Inicialmente, a Tabela Periódica trazia apenas 63 elementos químicos.  Mendeleev previu que poderiam ser acrescentados outros e deixou espaços em branco. Hoje, são 118 substâncias – e ainda há espaço para mais!
A história da Tabela periódica está recheada de fatos surpreendentes, que vão intrigar até mesmo quem se assusta na hora de estudar química. Separamos dez que você com certeza não conhecia.
Confira:
Entrega de última hora
Quando desenvolveu a primeira versão da Tabela Periódica, Mendeleiev tinha um prazo a cumprir e, assim como tantos estudantes, deixou para entregar na última hora. Por isso, ao invés de descrever em detalhes cada um dos elementos, ele organizou tudo resumidamente em uma tabela.

Maioria dos elementos pode ser encontrada na natureza
Dos 118 elementos existentes hoje na Tabela Periódica, 90 podem ser encontrados na natureza, enquanto outros foram criados pelo homem – o tecnécio foi o primeiro deste tipo.

Inspiração veio da Paciência
Jogador de cartas voraz, Mendeleiev buscou inspiração no jogo de Paciência (Solitaire, em inglês) para desenhar a Tabela Periódica. Ele fez um cartão para cada um dos 63 elementos então conhecidos, listando em cada um com suas propriedades físicas e químicas. “Embaralhou” e os organizou em ordem crescente de massa atômica, agrupando os que tinham propriedades semelhantes.

Previsões certeiras
Nos espaços que deixou em branco, Mendeleev conseguiu prever corretamente o peso de alguns elementos faltantes, como gálio, escândio e germânio.

Gases nobres renegados
Quando o argônio foi descoberto, em 1894, não se encaixou em nenhuma das colunas propostas por Mendeleev. Ele então negou a existência do elemento; o mesmo ocorreu com hélio, néon, criptônio, xenônio e radônio, hoje conhecidos como Gases Nobres.

Novidades incorporadas em 2016
Os elementos mais novos da Tabela periódica foram oficialmente reconhecidos em 2016: Tennessine (Ununséptio), Nihonium (Ununtrio), Moscovium (Ununpêntio) e Oganesson (Ununóctio).

Versão antiga esquecida no depósito
A versão mais antiga da Tabela periódica foi encontrada em 2014, esquecida em meio à bagunça de um depósito da Universidade de St. Andrews, na Escócia. Com data de 1871, acredita-se que seja bastante similar à tabela publicada em 1869. A versão original utilizada por Mendeleev foi perdida.

Tabela que não tem fim
A atual versão da Tabela periódica é infinita e está pronta para receber novos elementos a qualquer momento.

Elemento bombástico
Segundo o Guinness Book, o plutônio (Pu) é o elemento mais perigoso da Tabela Periódica. Raramente encontrado na natureza, ele é usado para fazer bombas atômicas e é altamente radioativo.

Para rir um pouco
Como nem tudo na vida é ciência, muita gente fez paródias com a criação de Mendeleev. Existe a Tabela periódica do M&M, a Tabela Periódica dos Bombons e a Tabela Periódica do Metal, ou melhor, do Heavy Metal. Divirta-se: http://mentalfloss.com/article/48677/9-periodic-table-parodies.
 Por Rodrigo Di Monaco/Estadão

quarta-feira, 20 de março de 2019

A neurociência da felicidade: cérebro e emoções positivas


Nos últimos anos surgiram diversos estudos relacionados ao que foi chamado de “neurociência da felicidade”. De fato, há relativamente poucos anos os neurocientistas e os psicólogos começaram a investigar os estados cerebrais associados com os componentes da felicidade e a considerar a sua relação com o bem-estar.
Durante anos, as pesquisas demonstraram que, com o tempo, nossas experiências remodelam nossos cérebros e podem mudar nossos sistemas nervosos. Isso acontece tanto para o bem quanto para o mal.
Atualmente, os pesquisadores do âmbito da neurociência da felicidade estão se concentrando em como podemos aproveitar esta “plasticidade” do cérebro para cultivar e manter emoções positivas.

Emoções positivas, chaves para o bem-estar psicológico

A capacidade de manter uma emoção positiva é o segredo para o bem-estar psicológico. Os benefícios das emoções positivas estão bem documentados. Por exemplo, foi comprovado que as emoções positivas melhoram a saúde física, fomentam a confiança e a compaixão, e compensam e/ou amortecem os sintomas depressivos.
Também foi descoberto que as emoções positivas ajudam as pessoas a se recuperar do estresse e que podem até mesmo anular os efeitos das emoções negativas. Além disso, as emoções positivas promovem uma melhor conexão social.
No entanto, a incapacidade de manter emoções positivas ao longo do tempo é um traço importante da depressão e de outras psicopatologias, mas os mecanismos que respaldam a capacidade de sustentar respostas emocionais positivas foram entendidos há muito pouco tempo.
Mulher deitada na grama com flores
Um estudo publicado no Journal of Neuroscience em julho de 2015 descobriu que a ativação prolongada de uma região do cérebro chamada estriado ventral está diretamente relacionada à manutenção de emoções e recompensas positivas.
A boa notícia é que podemos controlar a ativação do estriado ventral, o que significa que podemos desfrutar das emoções mais positivas que estão ao nosso alcance.

Neurociência da felicidade

No geral, de acordo com o estudo, as pessoas com níveis de atividade mais sustentados no estriado ventral apresentam níveis mais altos de bem-estar psicológico e níveis mais baixos de cortisol, o hormônio do estresse.
Em estudos prévios, a equipe de pesquisadores identificou que desfrutar de coisas como um bonito pôr do sol e das emoções positivas associadas a ele podem contribuir para melhorar o bem-estar. Para este novo estudo, os pesquisadores queriam identificar como e por que algumas pessoas são capazes de manter vivos os sentimentos positivos.
Uma das grandes vantagens de identificar uma região específica do cérebro relacionada com a manutenção das emoções positivas é que isso facilita a visualização do que poderíamos chamar de um interruptor – que nos permite ativar esta região de forma consciente.
Para este novo estudo, os pesquisadores estudaram a neurociência associada com a manutenção de emoções positivas no mundo real através da realização de dois experimentos em seres humanos.
O primeiro experimento foi uma tarefa de respostas de recompensa monitorada por ressonância magnética funcional. A segunda foi uma tarefa de demonstração de experiência que mede as respostas emocionais a uma recompensa obtida. O teste de laboratório previu positivamente a duração das respostas emocionais positivas no mundo real.
O exame destas dinâmicas pode facilitar uma melhor compreensão das associações de comportamento do cérebro que estão na base das emoções positivas e negativas. Neste sentido, cabe destacar que, segundo os autores, é importante ter em conta não só quanta emoção a pessoa experimenta, mas também por quanto tempo estas emoções persistem.
O mecanismo exato que permite a criação de instâncias no cérebro das emoções do mundo real, experimentadas em segundos, minutos e horas, continua sendo misterioso. No entanto, os autores dizem que estas descobertas sugerem que a duração da atividade em circuitos específicos do cérebro, inclusive em períodos de tempo relativamente curtos, como segundos, pode prever a persistência das emoções positivas de uma pessoa minutos e horas mais tarde.
Mulher feliz sorrindo

A neurociência da felicidade e a ativação do estriado ventral

Os resultados deste estudo contribuem para uma melhor compreensão de como os transtornos mentais, como a depressão, se manifestam no cérebro.
Além disso, as descobertas também poderiam ajudar a explicar por que algumas pessoas são mais cínicas do que outras e por que algumas pessoas tendem a ver o copo sempre meio cheio, em vez de meio vazio.
De acordo com os autores do estudo, o padrão neural observado no novo estudo, particularmente no estriado ventral, previu níveis mais altos de bem-estar em estudos prévios.
De acordo com eles, práticas como a bondade amorosa e a compaixão pelos demais, que têm como objetivo cultivar certas formas de emoção positiva, podem ajudar a aumentar a capacidade de saborear as emoções positivas.
Por outro lado, de acordo com os autores, as inovações metodológicas mostradas neste estudo podem ser aplicadas para estudar se o impacto das formas simples de meditação pode melhorar as emoções positivas mantidas em contextos do mundo real, assim como a ativação sustentada pelo estriado ventral medida em laboratório utilizando tecnologia de imagens cerebrais.
Por amenteemaravilhosa.com.br

Sesap abre vagas de estágio remunerado para alunos de graduação

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio da Coordenadoria de Recursos Humanos (CRH), informa que estão abertas as inscrições para o Programa de Estágio Não Obrigatório, em parceria com a Escola de Governo do Rio Grande do Norte (EG) e a Secretaria Estadual da Administração dos Recursos Humanos (SEARH). As vagas ofertadas para o exercício de 2019 são para alunos de graduação das seguintes áreas:

·         Engenharia Elétrica
·         Comunicação Social
·         Enfermagem
·         Saúde Coletiva
·         Gestão Hospitalar
·         Tecnologia da Informação
·         Sistemas de Informação
·         Administração
·         Ciências Contábeis

A seleção ocorrerá mediante cadastro no site da Escola de Governo.  Os interessados devem se cadastrar por meio do endereço: http://sistemas.searh.rn.gov.br/escoladegoverno/estagio/escolhacad.asp

Por ASCOM SESAP

A verdadeira história das Bruxas de Salém


Na história da humanidade vários fatos ocorreram, alguns costumam despertar mais curiosidade que outros. Quem nunca ouviu falar das Bruxas de Salém? Elas são inspirações de várias histórias, livros, músicas, filmes e até mesmo séries. O Julgamento dessas bruxas atrai o interesse de várias pessoas que ficam curiosas para saber um pouco mais sobre o ocorrido, outras nem sequer sabiam que de fato esse julgamento chegou a acontecer.
Pois é, quem não sabia, pode acreditar porque o Julgamento das Bruxas de Salém foi real e aconteceu a mais de 320 anos atrás, lá no ano de 1692. A bruxaria começou a ocupar espaço na Europa por volta de 1300 e muitos cristãos associavam os “poderes” dessas bruxas ao diabo, ou seja, eles acreditavam e defendiam que Lúcifer concediam esses poderes para que as bruxas pudessem usar da forma que bem entendessem. Muitas pessoas procuravam elas para que pudessem se vingar de seus inimigos enquanto outro grupo de pessoas temiam, principalmente por não saber o que poderia vir a acontecer se caso alguma das bruxas resolvesse lançar um feitiço.
A perseguição às mulheres acusadas de praticar a bruxaria começou a desaparecer da Europa, mas foi ganhando cada vez mais força em Salém. Tudo começou em 1689 quando a guerra dos nove anos começou a devastar várias regiões e deixando muitas pessoas desabrigadas. Essas pessoas sem ter pra onde ir começaram a se refugiar em vários locais, um deles foi obviamente Salém. A chegada dos refugiados começou a gerar um clima não muito agradável, principalmente porque a economia local começou a cair e a briga entre famílias cresceu bastante. Em janeiro de 1962 a filha do Reverendo Parris, Elizabeth (9 anos) e sua sobrinha Abigail (11 anos) começaram a apresentar alguns comportamentos bastante esquisitos. As meninas se contorciam, gritavam, atiravam objetos e faziam sons esquisitos. Não demorou muito para que várias pessoas associassem o ocorrido com algo sobrenatural.
Três mulheres foram acusadas pelas garotas: Tituba, uma escrava do Reverendo Parris, Sarah Good, uma desabrigada e Sarah Osborne, uma mulher que vivia na pobreza. Após as acusações, as três foram levadas a julgamento perante o Juiz Samuel Sewall, sendo Tituba a única s afirmar ter feito um pacto com o diabo, assinado um livro e ainda declarou que as bruxas estavam espalhadas por Salém, é de se imaginar que essas declarações acabou abalando toda a cidade não é mesmo? As três mulheres acabaram sendo pressas e a cidade mais do que nunca temia o que as bruxas poderiam fazer.
Uma outra mulher foi acusada de bruxaria: Martha Corey, porém ela era cristã e participava ativamente das atividades da Igreja, já foi motivo suficiente para que a desconfiança aumentasse entre o povo daquela região, até porque se uma cristã era bruxa, qualquer um poderia ser. Chegando em abril de 1962 várias outras mulheres foram acusadas e levadas ao tribunal para serem julgadas. Em junho daquele ano, Bridget Bishop foi enforcada acusada por ser bruxa, fofoqueira e promíscua, se tornando a primeira mulher a sofrer a penalidade pelo “crime”. A partir daí começou uma verdadeira caça às bruxas, os olhos da população de Salém estavam sempre bem atentos e prontos para acusar quem realizasse algo suspeito.
Ao todo 19 mulheres foram enforcadas, várias morreram na prisão e um homem morreu sendo apedrejado. Com o passar do tempo as acusações foram diminuindo, principalmente depois que o primeiro ministro da Nova Inglaterra, Cotton Mather, enviou uma carta ao tribunal pedindo que não considerasse sonhos e visões como provas. Increase Mather (filho de Cotton) era presidente de Harvard e fez o mesmo, o tribunal ouviu depois de um tempo resolveu ouvir os dois. O Juiz Samuel Sewall pediu perdão publicamente alegando ter acusado e condenado pessoas inocentes, mas o estrago infelizmente já estava feito. Alguns anos depois, em 1711 as famílias das pessoas que foram mortas receberam 600 libras cada como forma de indenização, mas o estado só se desculpou oficialmente e formalmente 250 anos após o ocorrido.
Atualmente a cidade de Salém possui um museu das bruxas que expõe documentação e objetos da época da caça e enforcamento, além de ser conhecida até os dias atuais como a cidade das bruxas.
Por Manoel Netto/Tricurioso