Curiosidades e fatos sobre a São Silvestre, tradicional prova que fecha o ano esportivo no Brasil

Miguel Schincariol / AFP
Tradicional prova toma conta das ruas de São Paulo no último dia do ano
Todo 31 de dezembro guarda a expectativa de um dos principais eventos esportivos do ano: a Corrida Internacional de São Silvestre. Sempre realizada no último dia do ano, em que se festeja o santo de mesmo nome, a tradicional corrida está programada para começar às 8h20min (horário brasileiro de verão) desta segunda-feira (31).
Os atletas já mostraram que estão otimistas para a largada na Avenida Paulista. Mas quão bem você conhece a história da prova? Confira algumas curiosidades sobre a São Silvestre, que fecha com chave de ouro o ano no esporte em 2018.

Criada por jornalista e inspiração em prova francesa

Cásper Líbero, além de ter idealizado o jornal Gazeta Esportiva, foi o nome por trás da criação da corrida de São Silvestre. Ainda em 1924, o célebre jornalista tomou como referência uma corrida noturna na França, em que os atletas carregavam tochas. Além disso, ele também baseou-se no sucesso da Volta de São Paulo (1918) e a Volta de Piracicaba (1919). 
Seguindo o molde francês que maravilhou Cásper, a São Silvestre foi uma corrida noturna até 1998. Com início geralmente marcado para as 23h30min (Brasília), a prova passou a ser disputada de manhã para cumprir com requisitos da Federação Internacional de Atletismo (IAAF).

Primeira prova

Sessenta atletas se inscreveram, e 48 fizeram o percurso inaugural da São Silvestre em 1925. Dos 48 corredores, 37 foram considerados como "classificados" - nome dado pelo regulamento aos atletas que concluíssem a prova em até três minutos após o primeiro cruzar a linha de chegada. Alfredo Gomes, do Clube Espéria, foi o primeiro vencedor da disputa; em 1925, ele percorreu os 8,8 quilômetros da prova em 33m21s.

Maiores campeões

Depois do Brasil (29), o Quênia é o país com maior número de títulos masculinos da São Silvestre, com 14. No lado feminino, o país africano domina com sobras: são 12 conquistas, cinco a mais que Portugal, "vice-líder" da lista com sete.
Individualmente, a recordista de títulos é a portuguesa Rosa Mota, que dominou a prova nos anos 1980 e foi hexacampeã consecutiva entre 1981 e 1986. Já entre os homens, destaque para o queniano Paul Tergat, pentacampeão (1995 e 1996, 1998-2000); por pouco ele não levou o título em 1997, mas foi desbancado pelo brasileiro Émerson Iser Bem e ficou com a medalha de prata.

Restrições ao longo dos anos

Hoje, a São Silvestre é um misto de gêneros e nacionalidades — mas nem sempre foi assim. Desde sua criação em 1925 até 1944, apenas atletas brasileiros (todos homens) podiam disputar a corrida. Em 1945, com o fim da Segunda Guerra Mundial, estrangeiros de outros países da América do Sul passaram a ser convidados para a disputa. O acesso a corredores de todos os países do mundo só foi permitido de vez em 1947.
As mulheres só puderam fazer parte da prova a partir de 1975, cinquenta anos após a primeira edição da São Silvestre. A primeira campeã foi a alemã Christa Vahlensieck. Uma brasileira só venceria a prova 20 anos depois: foi Carmem de Oliveira, em 1995.

Domínio paulista nas edições iniciais

Nas 16 primeiras edições da São Silvestre, todos os vencedores foram corredores paulistas. O panorama só mudou em 1941, quando o mineiro José Tibúrcio dos Santos (Faculdade Brasileira do Comércio) faturou o título, com tempo de 22m12s.

Onde assistir


A prova será transmitida na televisão pela Globo, a partir das 9h, e pela TV Gazeta, a partir das 8h25min.
Por GaúchaZH.Esportes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A água do mar e seus benefícios para a saúde

Dicas de interações e brincadeiras com as crianças em tempos de quarentena!

90% dos trabalhadores querem trocar de emprego, aponta pesquisa