Porque Einstein foi um gênio?



Sempre suspeitamos que havia algo extraordinário do ponto de vista físico, que fez com que Albert Einstein fosse mais inteligente do que nós. Suas contribuições mudaram nossos conceitos de espaço tempo e a própria natureza da realidade, e suas idéias influenciaram praticamente todos os aspectos da física moderna, seja ela subatômica ou cosmológica.
O próprio Einstein afirmou uma vez que uma das chaves para sua inteligência era a habilidade de visualizar os problemas com os quais trabalhava. Então ele traduzia essas imagens visuais na linguagem abstrata da matemática. Na verdade, um de seus exemplos mais famosos, é a teoria especial da relatividade, que segundo contam, ele desenvolveu a partir de devaneios sobre o que seria viajar através do universo em um feixe de luz.
Quando Einstein morreu em 1955 aos 76 anos de idade, seu corpo foi cremado. Antes disso, o Dr. Thomas Harvey, o patologista que realizou a autópsia, levou o cérebro de Einstein para casa. Algumas partes do cérebro foram doadas para serem utilizadas em pesquisas científicas. O cérebro ficou esquecido até 1978 quando o repórter Stephen Levy localizou-o no consultório de Harvey em Kansas. Segundo Levy, o cérebro de Einstein estava armazenado em duas jarras no consultório de Harvey. A maior parte do cérebro, com exceção do cerebelo e partes do córtex cerebral, havia sido secionada. As investigações preliminares do Dr. Harvey não haviam descoberto nada fora do comum quanto às estruturas anatômicas do cérebro do gênio.
Um dos cientistas que recebeu um fragmento do cérebro foi Marian Diamond, uma importante professora em Berkeley.

Ela e sua equipe contaram o número de neurônios e células gliais no cérebro de Einstein: as áreas 9 e 39 do córtex cerebral nos hemisférios direito e esquerdo. A área 9 está localizada no lóbulo frontal (córtex prefrontal) e acredita-se que seja importante para o planejamento do comportamento, atenção e memória. A área 39 está localizada no lóbulo parietal e faz parte do "córtex associativo". Admite-se que esta área esteja envolvida com a linguagem e várias outras funções complexas. A percentagem dos neurônios em relação às células gliais no cérebro de Einstein foi comparada com aquelas dos cérebros de onze outros homens que morreram com a idade aproximada de 64 anos. Aqueles cientistas relataram que o cérebro de Einstein parecia possuir uma maior percentagem de células gliais, as células que suportam e nutrem a rede de neurônios (1). O grupo concluiu que o maior número de células gliais do tipo "oligodendroglia" -- células auxiliares que aumentam a velocidade de comunicação neural -- por neurônio pode ser uma indicação de que os neurônios no cérebro de Einstein apresentavam uma maior "necessidade metabólica"- elas necessitavam e usavam mais energia. Dessa maneira, talvez Einstein tivesse melhores habilidades de pensamento e destreza conceptual. Entretanto, é importante observar que as áreas 9 e 39 mantém importantes conexões com muitas outras áreas do cérebro e que o comportamento complexo é o resultado da ação conjunta de muitas áreas.
As descobertas mais recentes sobre o cérebro de Einstein foram publicadas em junho de 1999. Os cientistas descobriram que um parte de seu cérebro era, de fato, fisicamente extraordinária. Uma equipe do Departamento de Psiquiatria e Neurociências da Faculdade de Ciências da Saúde da McMaster University comparou as medidas anatômicas do cérebro de Einstein com aquelas de cérebros de 35 homens e 50 mulheres com inteligência normal. Em geral, o cérebro de Einstein era semelhante aos outros cérebros exceto em uma área chamada de região parietal. Devido ao amplo desenvolvimento dessa região em ambos os lados de seu cérebro, ele era cerca de 15% mais largo do que outros cérebros estudados. "A cognição visuo-espacial, o pensamento matemático e as imagens de movimento são fortemente dependentes dessa região", observaram os pesquisadores. Essa anatomia fora do comum talvez explique porque Einstein se debruçava e resolvia problemas científicos da maneira que ele fez.












Cérebro normal
 - contém uma região chamada opérculo parietal e lobo parietal inferior; neste útlimo reside o raciocínio matemático e visual.
Cérebro de Einstein - não foi maior que o da maioria, mas o opérculo parietal (notar indicação na flexa) foi perdido. Isto permitiu ao lobo parietal inferior crescer 15% mais que o normal. 



Além disso, seu cérebro era fora do comum, no sentido de que não continua uma fenda, conhecida sob o nome latino de sulcus, que normalmente percorre parte dessa área. Os pesquisadores especulam que a ausência do sulco pode ter permitido que um maior número de neurônios estabelecesse conexões entre si e trabalhassem em conjunto mais facilmente, possivelmente criando "uma extensão extraordinariamente grande de córtex altamente integrado dentro de uma rede funcional." Os resultados, segundo conclusão dos pesquisadores, sugerem que as diferenças nas capacidades das pessoas em realizar determinadas funções cognitivas podem ser devidas até certo ponto às diferenças estruturais nas regiões do cérebro que intermediam essas funções.
Witelson teorizou que a ausência parcial do sulco no cérebro de Einstein pode ser a chave, posto que isso permite que mais neurônios nessa área estabeleçam conexões entre si e funcionem em equipe de modo mais fácil.

 
Concluindo, embora esses resultados pareçam interessantes, antes precisa ser demonstrado que todos os físicos e matemáticos brilhantes apresentam essa mesma anatomia. Observar os cérebros de gênios vivos pode ser mais fácil do que no caso de Einstein. Antigamente, a anatomia de um cérebro humano só podia ser estudada após sua morte, mas a moderna tecnologia, como por exemplo, as imagens por ressonância magnética e a tomografia por emissão de pósitrons, permite que os cientistas observem o cérebro em funcionamento dentro de um corpo vivo. Com essa tecnologia, pode ser que seja possível observar não apenas as diferenças na estrutura cerebral, mas também a atividade que ocorre nesse exato momento naquelas estruturas. Por exemplo, se o cérebro de Einstein tivesse sido estudado com essa tecnologia, os cientistas poderiam ter observado os grandes lóbulos parietais únicos e procurado discernir as atividades nessas áreas enquanto o cientista refletia sobre suas teorias. Além disso, o estudo não investigou como os neurônios nesses cérebro estavam conectados entre si e naturalmente, não poderia dizer se houvesse diferenças na maneira como os neurônios funcionam.


Silvia Helena Cardoso, PhD. Psicobióloga, mestre e doutora em Ciências. Fundadora
e editora-chefe da revista Cérebro & Mente. Universidade Estadual de Campinas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

90% dos trabalhadores querem trocar de emprego, aponta pesquisa

Curiosidades: Ano Bissexto

Técnica Pomodoro - o que é e como funciona